quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Querido Papai Noel


Então é Natal, e o que você fez?
O ano termina, e nasce outra vez.
Então é Natal, a festa Cristã.
Do velho e do novo, do amor como um todo.
Então bom Natal, e um ano novo também.
Que seja feliz quem, souber o que é o bem.

Então é Natal, Simone.


Natal, Natal, o que querem de presente? Façam os pedidos, pois amanhã, apesar do pólo Norte está derretendo, apesar dos ursos brancos estarem se devorando de fome, Papai Noel vai chegar, se bem que em Brasília ele já chegou, ou o Arruda não foi um Papai Noel para os seus meninos?

Mas o que será que eu poderia escrever para o verdadeiro e bom velhinho?

Eu poderia escrever:
- Querido Papai Noel, por favor, eu sou um bom sujeito, dai-me a felicidade de ver um só, basta um só Parlamentar na cadeia condenado pelo Supremo Tribunal Federal, dai-nos a aprovação da lei de execuções penais e um movimento popular pela reforma do Judiciário, Papai Noel dai-me também uma pele de Rinoceronte para eu resistir os terríveis casos de criancinhas brutalizadas, tantas crianças foram atacadas Papai Noel, desde o João Hélio, passando por Isabella e até esse menino das agulhas, por quê Papai Noel?

Dai-me a coragem dos canalhas pra fazer o bem, ao invés das vacilações covardes de muitos "homens de bem" diante do mal (sarcástico), dai um pouco mais de memória para esse povo, agora Papai Noel se eu for irresistivelmente atraido pelo mal, diante do sucesso de tantos canalhas impunes, Papai Noel, dai-me um panetonizinho daqueles do Arruda, cheio de Euros, dai-me um terno de Tefon igual o do Sarney onde nada gruda, dai-me advogados tão bons como aqueles do Maluf e do Daniel Dantas, eu quero meias-calças grandes, cuecas reforçadas, habeas corpus preventivos, dai-me a capacidade de mentir sem tremores, dai-me lágrimas de Crocodilo e abraços de Tamanduá em inimigos, dai-me o tempo e a paciência que eu conquistarei no esquecimento, dai-me a cara-de-pau de tantos impunes vitoriosos Papai Noel, dai-me sorrisos cínicos, eu posso precisar Papai Noel, quem sabe?

Aquele que rouba um banco, o que é?
Resposta: Ladrão.

E quais serão as consequências?
Resposta: Dentre tantas, o ladrão será procurado, capturado e preso.

Uhm, entendi. E aquele que rouba o País, o que é?
Resposta: Político.

E quais as consequências daquele que rouba o País?
Resposta: Hoje ele tem foro privilegiado, ou seja, tem um privilégio concedido a autoridades políticas, vão para as mãos dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que em suma maioria não punem ninguém, e se o escândalo for muito forte, no máximo ficam inelegíveis por um mandado, eles renunciam. Vide, Maluf, Sarney, Collor, Arruda e tantos outros.


Eu no Twitter( @IcaroQ)


Fonte: Com base em relatos do Arnaldo Jabor

0 comentários:

Postar um comentário

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | cna certification